Amazônia Comicon

O Amazônia Comicon - Festival de Histórias em Quadrinhos e Cultura Pop da Amazônia - É uma realização do Grupo Ponto de Fuga, fundado a 22 anos e que defende a produção e pesquisa da linguagem das HQs. O Festival pretende reunir a produção local e nacional de quadrinhos, trazer para a capital do Pará quadrinhistas nacionais e internacionais num grande encontro de cultura Pop. Visite nossa Fanpage! https://www.facebook.com/amazoniacomicconvention

domingo, 4 de março de 2012

Lançamento Amazônia Comicon 2012


Lançamento dia 10 de Março de 2012.

9:00 h – Abertura  da exposição  de quadrinhos  Yango verso  e venda de revista do Ponto de Fuga e poderoso Máximus  no valor de R$ 4,00 .

9:00 h – Criando HQ , espaço aberto para criação de desenho  de histórias em quadrinhos e ilustrações , presença  de desenhistas  do grupo Ponto de Fuga  ( Faeli  Chaves  , Edson Redivan , Alex Barros e convidados Eliezer Levi  e Adriana Abreu  ). A atividade é livre e gratuita bastando  trazer papel  e lápis e comparecer a loja Ná Figueiredo .

10:00 h – Vídeo HQ - Exibição de vídeos  sobre eventos de quadrinhos no Brasil .

11 :00 H - Exposição  de histórias em quadrinhos  do Yango verso , páginas de originais de quadrinhos  do personagem  poderoso maximus  e seu universo  ,  criado pelo  quadrinhista  Alan Yango  , um dos membros fundadores  do grupo Ponto de Fuga  , atuando a 20 anos no mundo dos quadrinhos  paraenses . Alan Yango falará de seus personagens  as 11:00 h .

12:00 h – Intervalo .

14:30 h – Vídeo HQ - Exibição de vídeos  sobre eventos de quadrinhos no Brasil .

17:00 h – Shows com as Bandas Lágrimas de Outubro e Resistência Suburbana .

20:00 h – Encerramento .




ResistÊncia Suburbana - Old School Punk Rock

 

RELEASE


Tudo começou em 1983, quando, Sidney (voc), Cláudio (bxo), logo substituído por João Carlos, Chico Metal (gtr) e Cláudio Afonso (bat) fundaram a banda Consciência Pesada, que fez diversas apresentações em praça pública e bares de Ananindeua e adjacência. Por falta de recursos materiais e motivação a banda se dispersa.
Então, juntam-se aos remanescentes da Consciência Pesada, Cláudio Afonso, Chico e João, os rockers José “Matagato” Gomes (voc) e Natan “Brother” Rothschild (bat) e a rebatizam com o nome de Molambos. Sucedem-se várias apresentações nos subúrbios de Belém. A temática de suas canções girava em torno de lutas operárias, desigualdade social, corrupção, desinteresse das autoridades, entre outros assuntos que nunca saem de moda no Brasil.   
Em 1988, para melhor se adequar à luta operária, trocam seu nome para Resistência Suburbana, que àquela época, já contava com músicas autorais baseadas sempre na situação econômica, política e social brasileira, onde protestava de maneira clara e direta seu inconformismo. A estrada percorrida pela banda foi dura: bares, casas noturnas em Belém, Castanhal, Marituba, Ananindeua, Benevides e participando do saudoso Festival Rock 24 Horas, em 92.    
Em março de 2006, encontram-se os membros remanescentes Cláudio Afonso (bat), Natan Rothschild (bat), Matagato (voc) e a entrada do ex-roadie da banda Edson Redivan (gtr) e Rodrigo Othavio (bxo), para uma apresentação rápida e despretensiosa no Café Taverna, tocando covers dos Ramones, Replicantes, Garotos Podres, etc. no fim deste ano entra Robson Augusto (bxo) e isso acaba sinalizando uma nova perspectiva para a banda.
Mantendo-se fiel ao street punk, sem rodeios ou qualquer outra coisa sentimentalóide-comercial-apolítica parecida. Suas  canções retratam a realidade de qualquer brasileiro em sua respectiva classe social (padecente pela miséria, esfolada pelos impostos e amedrontada pela violência), que sofre os resultados desastrosos do desgoverno. Jamais levantando bandeira de nenhuma facção, apenas a do inconformismo e da rejeição a qualquer injustiça promovida por quem quer que seja.
Nesses últimos anos a Resistência vem reescrevendo sua história do rock local, ora promovendo ora tocando em festivais:: Ensaio Aberto Ná Figueredo, Madruga Fest Rock, Suburbana Fest/Ananindeua, Rock para Todos!, Rock na Veia, Bafafá Pró-Rock. Infesto Cultural, entre outros.
A Resistência Suburbana voltou para ficar, repertório autoral, pegada mais hard, letras críticas e sem perder o humor sarcástico do bom e velho Punk Rock.

Influências

Replicantes, Garotos Podres, Virus 27, Inocentes, Cólera, Ramones, Sex Pistols, New York Dolls, T-Rex, MC5, Dead Kennedys, Plasmatics, Girlschool, Motörhead, etc.

 

Integrantes

José ‘Matagatto’ Gomes (voc), Edson Redivan (guit), Natan Rothschild (bat) e André 77 (baix)


CONTATO
Conj. Jaderlandia 2, Rua A, no 9 – Atalaia, Ananindeua/PA
Tel: (91) 8287.0298 / 8112.0806
A/C: Edson Redivan 
Site: wix.com/oldpunk/resistenciasuburbana


Lágrimas de Outubro

A banda surgiu com a finalidade de ser a base do Projeto Lagrimas de Outubro, projeto este que teve seu embrião colocado dentro da escola Helena Guilhon na comunidade do Satélite localizada em Belém do Pará, no ano de 2011, auxiliando jovens com talento pra musica e poesia. Com o passar do tempo a gurizada do projeto foi formando cada grupo sua própria banda, então depois de Juninho Balla (guitarra) e Thais Maciel (guitarra e voz) mostrarem seu talento fazendo algumas musicas autorais juntaram-se a Zeca Balla (baterista) e Madilson Pilonche(coordenador do Projeto/contra baixo) para formarem a banda Lágrimas de Outubro... Apesar da pouca idade da turma as influencias musicais são diversas passando por bandas clássicas do rock in roll e suas derivações, assim como as bandas atuais dentro deste estilo que não envelhece e sim se eterniza. A união de tudo isso faz com que o Lagrimas de Outubro faça um som em doses calmas e pesadas procurando um ponto de equilíbrio em suas canções. A banda também é fã de quadrinhos .





Nenhum comentário:

Postar um comentário